quarta-feira, 28 de novembro de 2012

AMOR DE MÃE


Você sempre amou viver

Mas odiou ao me ver

Todos seus sonhos e pesadelos...

diante do meu ser

 

As coisas do passado

Na sua angustia presente

É fardo pesado

Neste dado de um lado

 

Sangue do seu sangue

E presente constante

Do amor da sua vida...

vida perdida

 

Nos seus braços o balanço

Daquela que quer ter

Um momento de descanso

Ou algo para esquecer

 

A mão que balança o berço

Tem a mão pesada

E a cada badalada

A reza de um terço

Um comentário:

Rita de Cássia Zuim Lavoyer disse...

Oi, André. Venho convidá-lo a participar da promoção da Cia dos blogueiros: "O maior poema"

Inscreva-se e participe conosco.

Para mais informações entre na página da Cia dos blogueiros ou no meu blog.

www.ritalavoyer.blogspot.com
"Promoção Cia dos blogueiros _ O maior poema"

Obrigada.